ARTIGOS

Covid-19: Anvisa autoriza importação de matéria-prima para vacina

Publicados

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou hoje (28) a importação, em caráter excepcional, da vacina CoronaVac na forma de produto intermediário, ou seja, não envasado. O insumo é fabricado pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Por meio de nota, a agência informou que a solicitação de importação da matéria-prima para fabricação da vacina foi feita pelo próprio Butantan. A CoronaVac ainda não tem registro no Brasil. “Os estudos ainda estão em andamento e não existe previsão de data para a vacinação”, ressaltou a Anvisa.

Testes clínicos

A CoronaVac está na terceira fase de testes clínicos. Como a Anvisa já havia aprovado a ampliação do estudo para 13 mil voluntários, o governo paulista decidiu ampliar o número de centros de pesquisa. Na fase atual, metade dos participantes recebe a vacina e a outra metade, placebo.

Caso a última etapa de testes comprove a eficácia da vacina, o acordo entre a Sinovac e o Butantan prevê a transferência de tecnologia para produção do imunizante no Brasil.

Eficácia

Para comprovar a eficácia da vacina, é preciso que pelo menos 61 participantes do estudo, que tomaram placebo, sejam contaminados pelo vírus. A partir dessa amostragem, é feita então uma comparação com o total dos que receberam a vacina e, eventualmente, também tiveram diagnóstico positivo da covid-19.

Leia Também:  Venezuela recebe doses da vacina russa para nova fase de testes

Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, será submetido a uma avaliação da Anvisa para registro e só então a vacina estaria liberada para aplicação na população.

Fonte: EBC Saúde
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGOS

Gari demitido após vídeo viralizar recebe oferta de emprego

Publicados

em

O coletor de lixo Vitor Celestino, de 30 anos, que foi demitido após viralizar nas redes sociais com um vídeo em que aparece fazendo brincadeira durante o horário de trabalho, está recebendo oferta de emprego e doações após repercussão do caso.

Ao UOL, Vitor, que é de Botucatu, interior de São Paulo, disse estar “esperançoso” para retomar ao mercado de trabalho. Ele contou que recebeu duas propostas de trabalho, uma que ainda está em andamento e outra que não deu certo por não ter habilitação para dirigir carro.

Segundo o ex-coletor, desde que a história começou a viralizar nas redes sociais, ele não para de receber ligações e mensagens em solidariedade à sua situação.

Além das ofertas de emprego, ele também está recebendo ajuda com as despesas. Vitor relata que um empresário entrou em contato e doou uma quantia em dinheiro, além de uma bíblia e um quarto temático do Ayrton Senna.

O ex-coletor tem 5 filhos, o mais novo é um bebê de 4 meses de idade, e por conta disso, sua mulher está afastada do trabalho como zeladora, em licença maternidade.

Leia Também:  Chuva cai em região afetada pelos incêndios no Pantanal de MT, mas fogo continua

O caso

Vitor viralizou após aparecer em um vídeo na plataforma Tik Tok brincando durante o horário de trabalho. Na cena, Vitor aparece segurando um cano de papelão simulando estar fazendo uma escolta armada do caminhão de lixo, enquanto outros colegas recolhem os sacos.

Com a repercussão, no último dia 22 de abril, ele foi demitido da empresa Grupo Corpus, que é contratada pela prefeitura para fazer o serviço de coleta. Vitor trabalhava há pouco mais de 10 meses na empresa.

Fonte: Atual Mt

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ARENÁPOLIS

NOTÍCIAS DA REGIÃO

POLICIAL

ESPORTES

MAIS LIDAS DA SEMANA