POLÍTICA

Abílio revela “convite” a vice de França para ser secretário em Cuiabá

Publicados

em

O vereador e candidato a prefeito de Cuiabá, Abílio Junior (Podemos), garantiu que o vereador Marcelo Bussiki (DEM), que concorreu como vice-prefeito na chapa de Roberto França (Patriota), ocupará algum cargo em sua gestão. A informação foi dada na tarde desta quarta-feira (18), durante bate-papo “Indústria e Candidatos”, realizado pela FIEMT.

“Eu sou fã do Marcelo. O vereador Marcelo Bussiki é o vereador mais técnico da Câmara Municipal e eu gostaria muito e, eu fiz o convite pra ele. Está analisando, vai conversar com a família dele. Eu falei pra ele que ele é a pessoa mais técnica para ajudar na gestão nesse sentido e ele topou. Agora, se ele vai participar do Governo em algum cargo, participar sendo conselheiro de uma forma indireta, caberá a ele decidir. Ele tem sua vida pública e tem sua vida técnica, ele é servidor do Tribunal de Contas e ele vai ter pensar o que vai fazer”, disse Abílio.

“Hoje estamos com o melhor cara para falar disso no Estado de Mato Grosso, Marcelo Bussiki. É quem colocou o Portal da Transparência de Cuiabá entre os 10 melhores do País quando participou da gestão”, finaliza.

Leia Também:  Pesquisa aponta liderança de Eder Marquis em Arenápolis

A fala de Abílio ocorre quando ele foi questionado  sobre como sua gestão trabalhará para dar mais transparência às ações da Prefeitura de Cuiabá. Nesse sentido, ele também aproveitou para criticar o atual prefeito de Cuiabá e seu adversário neste segundo turno, Emanuel Pinheiro (MDB). Para Abílio, o emedebista enganou os eleitores ao apresentar programas eleitorais que mostravam uma Capital perfeita.

“A população falava: “só pode ser mentira”. A transparência vem da rede social, quando você quer dar transparência, dê mesmo. Mas a mentira não sobrevive na rede social.  No HMC, na inauguração, por exemplo, vem um louco com celular na mão mostrando em tempo real que nenhum ambiente estava  pronto. E lá toda população estava vendo que era uma farsa. Qual foi a transparência? A arma da população é o celular. Eu não parti para violência, eu mostrei. Esta mesma arma servirá contra nós, se nós fazermos uma gestão errada”, disse.

APOIO

França e Bussiki  declaram nesta semana apoio à Abílio. No primeiro turno, ele travou embates com Emanuel Pinheiro nos programas de rádio e televisão, onde ambos trocaram acusações mútuas.  Em nota, França alegou que o apoio a Abílio é uma questão de coerência. “Abílio e o Wellaton (Cidadania) defendem os mesmos princípios que nós: combate à corrupção, transparência na administração pública e a aplicação correta do dinheiro público como forma de produzir melhores resultados para a população cuiabana”, assinalou.

Leia Também:  Justiça manda ex-secretário pagar R$ 735 mil por fraude em combustíveis

Bussiki é vereador de primeiro mandato e, assim como Abílio e Welaton, fizeram parte da bancada de oposição ao atual prefeito. Inclusive, foi o autor do requerimento de criação e presidente da CPI do Paletó, que chegou a pedir o afastamento de Emanuel Pinheiro, o que não foi acatado pela Câmara de Vereadores.

Fonte: Folha Max

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLICIAL

Vereador de MT é alvo do Gaeco por supostas fraudes em licitação

Publicados

em

A Unidade Regional do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) de Rondonópolis deflagrou nesta segunda-feira (23), em Primavera do Leste, a Operação Afeto. O trabalho conta com o apoio do Gaeco de Cuiabá e busca auxiliar investigação realizada pela 1ª Promotoria de Justiça Cível de Primavera do Leste. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência e no gabinete de um vereador do município, nas empresas Nova Service e Top Service, além da estação e almoxarifado onde são guardados os veículos e maquinários das empresas investigadas.

De acordo com o Gaeco, a investigação apura fraudes em licitação envolvendo empresas registradas em nome da esposa e do enteado do parlamentar investigado. Há indícios de que o vereador atue junto ao município promovendo o direcionamento de licitações, visando o favorecimento de familiares que supostamente operam como “laranjas”.

Entre os anos de 2016 a 2020, as duas empresas alvos da operação movimentaram mais de R$ 4 milhões de verbas públicas por meio de contratos celebrados com o município. Entre os serviços contratados, estão transportes escolares, locações de máquinas e caminhões, varrição, recolhimento de resíduos, obras de engenharia, calçamentos, entre outros.

Leia Também:  Frical aposta no "sentimento de mudança" da população de VG

Segundo o Gaeco, o nome dado à operação realizada nesta segunda-feira é uma alusão aos laços de parentesco e amizade do vereador com as empresas supostamente favorecidas pela prefeitura.

Fonte: Repórter MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

MAIS LIDAS DA SEMANA